LANÇAMENTO – PROGRAMA PILOTO

Brasília não tem gente. Brasília não tem rua. Brasília só tem ladrão. Brasília só tem concreto. Brasília só tem funcionário público. Estas são afirmações comuns que ouvimos a respeito da Capital Federal e que desavisados que não conhecem a cidade propagam por aí. Mas serão essas afirmações verdadeiras? Quem conhece Brasília sabe que não, mas como modificar essa visão? Afinal de contas, tudo o que é mostrado a respeito de nossa cidade, na TV, na internet, nos jornais, gira em torno dos Três Poderes.

Incomodadas com essa visão simplória de uma cidade que pulsa como qualquer outra, Adriana Bruno, Maíra Oliveira e Tiana Oliveira resolveram fazer um programa de TV que mostrasse a Brasília onde vivem e onde fazem arte. Arte em suas várias concepções, Arte com A maiúsculo e arte com a minúsculo. Coisa que aprenderam com o grupo de teatro de rua Esquadrão da Vida, criado por Ary Pára-Raios há 34 anos atrás e onde as três amigas se conheceram. Maíra e Tiana, filhas de Ary, conheceram Adriana quando estavam montando o espetáculo Na Rua com Romeu & Julieta e, desde então, vem elaborando projetos e realizando parcerias em muitos âmbitos, tanto pessoais quanto profissionais.

O desejo de Adriana de realizar um programa de entrevistas que acontecesse dentro do ônibus-loja itinerante já era antigo. As três sempre pensaram em fazer isso juntas, mas o tempo só permitiu que pudessem pensar o programa no ano passado, 2013, com o apoio do FAC – Fundo de Apoio à Cultura do DF/GDF.

Adriana Bruno montou uma loja itinerante – o micro-ônibus que herdou do grupo de teatro onde atuara em São Paulo – a Farândola Troupe. Nele, começou a andar pelas ruas da capital paulista e passou a vender bolsas e objetos que confecciona. Deu o nome de sua avó materna, Maria Berenice, ao veículo e acabou fazendo disso um negócio. No entanto, a palavra negócio, mesmo sendo real, não parece ser o que efetivamente acontece quando nos deparamos com a Maria Berenice, este micro-ônibus que foi forjado na delicadeza e no amor à Arte. Dentro da pequena loja itinerante, há um encontro de mundos, às vezes distintos, às vezes muito próximos. O que vemos, sempre, é que seu visual e seu interior despertam muita atenção e curiosidade. Não há quem não olhe pelo menos de soslaio para ele. E quem entra no referido espaço se sente em casa, quase que como tomando um café entre amigas.

Amigas? Sim, porque a maioria das pessoas que entra ali são mulheres e crianças. Os homens, sempre desconfiados, quando se aproximam, perguntam à motorista (no caso, a própria Adriana, que tirou carteira de motorista de ônibus para poder dirigí-lo):

- De que ano é esse ônibus? Quem dirige? Qual é o tipo de pneu? E a roda?

Adriana sempre se intrigou com essa curiosidade tão masculina em relação à Maria Berenice e essa mesma curiosidade acabou levando-a a pensar no programa que será lançado nesta quarta-feira, dia 26 de março de 2014, no Balaio Café.

Como Maíra e Tiana sempre acompanharam a trajetória da Maria Berenice, por vezes fazendo o papel de vendedoras, também começaram a pensar em como seria o formato desse programa de TV. Sabiam que convidariam artistas homens para adentrar este universo tão feminino criado por Adriana Bruno. No entanto, ainda não haviam definido o seu roteiro e os perfis de quem convidariam. Até que o que era óbvio acabou aparecendo: como Adriana voltou para Brasília em 2009, teriam que falar sobre seu amor pela cidade, já que enfim estavam as três morando aqui, e por opção. Convidariam artistas brasilienses que falassem da sua relação com a cidade e de como essa relação se reflete em sua criação artística. Era uma forma de deslocar o olhar tão calejado e viciado de que a cidade que tanto amam seria uma cidade-dormitório. Deslocando esse olhar, através da conversa com artistas que vivem em Brasília e, mais ainda, são alimentados artisticamente por ela, poderiam mostrar que a capital é um centro irradiador de cultura, uma rica e pungente, porque feita de influências que advém de todos os estados brasileiros.

Para o programa piloto, as três artistas mulheres convidaram três artistas homens de Brasília: Vavá Afiouni (músico), Virgílio Neto (artista) e André Santangelo (artista plástico).  Cada um deles escolheu lugares de Brasília que fazem parte de sua história para visitar com a Maria Berenice, mostrando para o espectador diferentes maneiras de se viver a cidade. Tomando um café, passeando por paisagens brasilienses que geralmente não estão nos cartões postais e falando sobre o fazer artístico de cada um, esses artistas possibilitaram o despertar de uma diferente visão para a Capital Federal. Em ano de Copa do Mundo e de eleições, talvez seja extremamente necessário que o programa Rodando a Bolsa na Rua entre em cena e possa mostrar aquilo que já sabemos e, no entanto, temos receio de encarar: que pegando na enxada e indo atrás de nossos sonhos, podemos transformar este mundo tão maltratado. As três meninas-mulheres aprenderam isso com o Esquadrão da Vida e com o mestre Ary Pára-Raios. A realização do programa e seu lançamento são oportunidades onde poderão demonstrar isso.

SERVIÇO:

Lançamento programa piloto Maria Berenice em: Rodando a Bolsa na Rua

Direção: Adriana Bruno, Maíra Oliveira e Tiana Oliveira

Data: 26 de março de 2014

Local: Balaio Café – 201 Norte

Horários das projeções: às 20h e às 21h

Entrada Franca

“Tudo não é o fim da picada.”

helio leites 1

“Quando a gente vai procurar o que fazer dentro da gente, acontece uma coisa incrível, a gente sempre acaba fazendo o que a gente gosta. E fazer o que a gente não gosta é o pior desemprego do mundo. E se pegar esse aparelho aqui, ó, que pisca, que ri, que chora, e botar ele pra trabalhar numa coisa que ele não gosta, é um desserviço para o espírito.” Hélio Leites

http://www.esnips.com/doc/47b2821d-4be3-4c21-9a94-be68d5cda398/Helio-Leites

Lição de vida pra mim…….. amei e quis compartilhar com vcs! Vejam os videos!
Bjs, Adriana

Mais um pouco de Guerrilha, de Folia, de Alegria!

EV 10

Programem-se:

GUERRILHA DO BOM HUMOR:

Sábado, dia 18/09, no Encontro Cabeças, às 17h. (Pra ver toda programação do CABEÇAS: www.cabecas.org).
Sexta-feira, dia 24/09, Jardim Botânico, às 10h.
Quinta-feira, dia 30/09, Museu Vivo da Memória Candanga, horário a ser definido.

O FILHOTE DO FILHOTE DE ELEFANTE:

Domingo, dia 19/09, às 17h – SQS 407
Domingo, dia 26/09, às 17h – SQN 313

A entrada é sempre franca e os espetáculos são para todas as idades! Apareçam!
Um grande beijo

Adriana

Cabe  as 1

Ensaio, ensaio, teatro, Maria Berenice e um pouco mais de ensaio!!

Tô toda quebrada! rsrsr Voltei a ensaiar com o Esquadrão da Vida!!!
Muito bom me alimentar do teatro novamente!

“Tem gente por aí
Que anda assim tão infeliz
Ganha rios de dinheiro,
mal trabalha e acha a vida uma bosta! Acha uma bosta!
Aqui no Esquadrão, a gente rala de montão.
A gente planta bananeira, vira estrela, cai de bunda e até gosta! E até gosta!”
(música que a Rosana fez pro grupo)

Foto Guerrilha 1

Pois é! Dia 11 de setembro, dia nacional do CERRADO, estréia a nova Guerrilha do Bom Humor pela cidade de Brasília…

Uma intervenção músico-teatral-acrobática-lírica – peça mais antiga do repertório do grupo, nascido em 1979 – empunha a alegria para desarmar a sisudez mórbida e a incapacidade de olhar o outro da sociedade contemporânea. O propósito do espetáculo é o de agir viralmente contra a alienação que a cidade impõe, ao mostrar que brincar é necessário, que atuar em grupo é importante para melhorar a sociedade atual e que a competição por espaço e recursos na metrópole, se por um lado gera riqueza, quando exagerada desumaniza as relações humanas.
(Na pág Próxima Parada do site os dias e locais)

Captura de tela 2010 08 31   s 18.59.54

Beijos, Adriana Bruno.

AMOOOO Brasília!!! O poeta Nicolas Behr também.

as mudanças no plano piloto
as mudanças em mim

O CÉU
É NOSSO MAR

MAR SEM SAL

o psicólogo o sociólogo
o antropólogo explicam
brasília

eu não entendo
eu gosto

respeitosamente
encaminho a vossa
senhoria, em anexo,
a planta do anexo do
anexo do anexo do
ministério sem nexo

paiev

ipês protestam
contra os atropelamentos no eixão
oferecendo flores às vítimas

A MARIA estará nessa Feira no próximo final de semana!!

Captura de tela 2010 07 27   s 07.36.11 1
O Clube da Imprensa de Brasília recebe a “1ª Feira de Troca de Saberes da Economia Solidária e da Agricultura Familiar’’, nos dias 31 de julho e 1° de agosto de 2010. A feira expõe artesanato, alimentos orgânicos e produtos da agricultura familiar, além de propostas de materiais reciclados, roupas e acessórios. O intuito é trocar saberes através de oficinas, palestras e shows compreendendo uma diversidade de práticas econômicas e sociais. O horário de funcionamento terá início das 14 horas em diante do sábado, com oficinas culturais, massagens, prática de yoga, dança e festa de encerramento.
No domingo, 1º de agosto, teremos as demais atrações e a continuação da feira com produtos da economia solidária e agricultura familiar.
Compareçam!

Clube da Imprensa
Setor de Clubes Norte – Trecho 1 – Conjunto 2 – Lote 1A.
Telefones: (61) 3306-1156 e 3306-2238

Sábado:
14h: Abertura da Feira
14:30 às 17h: Masagem Terapêuticas com Augusto Cândido
15h às 16h: Oficina de Pet com Mariana Demétrio
16h às 17h: Oficina de Técnicas Circenses
17h às 18h: Oficina de Pintura em Tecido
18h Prática de Yoga com a Equipe Swaha
19h Forró
20h Festa (DJ)

Domingo:
08h: Abertura da Feira
09h: Danilo Alencar- Poema Flor de Maracuja
Apresentação de “Os Canarinhos”
Café Degustativo
10h Vivência de Yoga com Edimir Lima
11h Palestra A Economia Solidária e a Agricultura Familiar”
15:30h Roda de Tambor
16h Show Manbembricantes
17h Show de Zé Mulato e Cassiano
18h Show de Éllen Oléria

Esquadrão da Vida!

ensaio geral abril 2010  6  1
No ano de 2009 o Esquadrão da Vida completou 30 anos de idade. Apenas 3 a menos que eu. Lembro-me das minhas participações, desde pequenininha, nos espetáculos e ensaios do grupo. Lembro do meu pai, (o fundador do grupo, Ary Pára-Raios) e meus irmãos vestidos de palhaço quando não havia mais ninguém no elenco. E lembro, principalmente, do dia em que descobri que era atriz. Foi no começo dos ensaios de Na Rua Com Romeu & Julieta, o grupo se reorganizava e eu estava lá, com 16 anos, e com toda a minha vontade juvenil presente. Juntos comigo outros companheiros, alguns mais velhos e outros tão jovens quanto eu. Ensaiávamos e, de repente, ao falar um texto da peça, percebi ali que meu destino estava marcado como atriz. Meu pai também percebeu. Foi emocionante, mas eu estava excitada demais para perceber isso no momento.

Muita coisa aconteceu desde então. O Na Rua Com Romeu & Julieta estreou em 1993, ficou cinco anos em cartaz e, seguindo suas pegadas, O Bicho Homem e Outros Bichos, que por nove anos encantou plateias das ruas do nosso brasis. Os dois espetáculos foram muito importantes para a história do grupo, que pôde amadurecer cada vez mais sua linguagem, desenvolvendo um trabalho de teatro acrobático na rua com dramaturgia e estética próprias. O envolvimento com as tradições populares brasileiras e a luta por um meio ambiente equilibrado, com o uso racional da natureza, fixaram-se como bandeiras importantes da trupe.

Hoje, passados 18 anos daquele momento em que descobri minha vocação, e após a morte de meu pai e mestre em 2003, sinto a mesma emoção e a mesma excitação de outrora. Voltar às ruas de Brasília, no ano de comemoração dos seus 50 anos, sem a presença física e marcante do palhaço Ary Pára-Raios, já é, por si só, um marco na história do Esquadrão da Vida. Voltar às ruas com uma adaptação livre que meu pai fez para o texto O Filhote do Filhote de Elefante, de Bertold Brecht, então… é uma alegria e uma felicidade que só quem for assistir poderá compartilhar com o grupo, que acredita que não há nada melhor que a Arte para transformar o mundo. E é com o mesmo entusiasmo juvenil e emoção de 30 anos atrás que o Esquadrão da Vida entra em cena novamente, mais vivo que nunca!
Maíra Oliveira.
Brasília, abril de 2010.

Maíra Oliveira é diretora e atriz da Companhia de Teatro Esquadrão da Vida e minha grande amiga, parceira, irmã.
O Esquadrão da Vida estará nas quadras do plano piloto com o espetáculo O FILHOTE DO FILHOTE DE ELEFANTE, uma adaptação livre de Ary Pára-Raios e do Esquadrão da Vida para o texto O Filhote de Elefante, de Bertold Brecht.
Adriana Bruno

ensaio geral abril 2010  26

Adriana Rodrigues…. amiga,parceira. Segue seu destino!!!

Brasileira

Sou brasileira, européia, índia, africana, oriental.
Sou colorida, branca, vermelha, morena,
escura, amarela.
Coração amoroso
Filha da Terra
Pés no chão, olhar nas estrelas.
Bicho do mato. Sereia do mar.
Subo montanhas.
Caminho vales.
Fujo no sopro do vento.
Misturo-me aos pássaros,
guardo seus cantos.
Carrego segredos, orações e profecias.
Sou uma explosão de amor.
Vim do infinito para o tempo
se ser criatura finita.
Filha do homem, filha da mulher.
Filha do céu azul iluminado,
queimada de sol.
Filha do céu escuro da tempestade,
encharcada em noites sem estrelas
recolhendo a aurora de um novo dia.
Sou latina americana de alma terna e materna.
Sul americana.

novas 123

Dri,
Parece que Antônia Krapp, a autora desse poema, sabia o que eu queria te dizer. Obrigada, amiga, por ter caminhado comigo e com Maria esses anos. O que te espera é lindo!!!!
Encontraremos vc!!!!
Seeemmpreeeee!!!!!!!!
Adriana Bruno